Translate

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Nos bastidores das corridas da Centenário


Vista do canteiro central da Avenida Centenário, as pessoas que conseguiam credencial para este acesso eram geralmente da imprensa ou que tinham ligações com a organização, ou com equipes e pilotos. Sempre ficavam por ali muitas garotas, amigas, namoradas, parentes ou paqueras de algum piloto.

Muitas vezes me perguntam como era o ambiente nos bastidores e no entorno das corridas da época da Avenida Centenário, como era o convívio entre os pilotos, se rolavam festas, como eram as paqueras, a visibilidade na imprensa, etc...

Avenida do Centenário em dia de corrida.

O ambiente entre os pilotos era como sempre foi e continua sendo até nos dias atuais, em todo o mundo automobilístico, muito competitivo e cada qual cuidando dos seus próprios  interesses.
Éramos na grande maioria, amigos fora das pistas porém lá dentro era outra coisa, a rivalidade falava mais alto !

 
Os pilotos Fred Leal, Carlos Medrado e Toncar

É preciso entender que a época era outra, as pessoas em geral tinham uma vida menos corrida, as ofertas de lazer eram bem menores que os dias atuais, o que tornava uma corrida de automóveis uma atração imperdível para grande parte da população da cidade, nos fins de semana de corridas, a vida de Bairros como Barra, Barra Avenida, Graça e Ondina era totalmente alterada, tudo em função do evento que era divulgado pelos jornais e televisões com grande antecedência!


O piloto André Burity dando entrevista a uma emissora de rádio após uma corrida.

Tietagem nos boxes  

Tietagem na pista

Tinham pilotos de várias camadas sociais, pessoas mais simples, como também membros da "alta sociedade", tinham  de estudantes a empresários bem sucedidos, além de pilotos da velha guarda, alguns já consagrados das corridas do Farol da Barra nos anos 50 e outros se iniciando no automobilismo esportivo.
Todos no entanto tinham que ter algumas coisas em comum independente do talento e origem social de cada um, primeiro tinham que ter dinheiro para cobrir o alto custo das corridas, quer por recursos próprios, das suas empresas ou da família, quer por meio de uma equipe ou de patrocinadores. Também tinham que ter muita dedicação e muita coragem para competir numa pista de rua como aquela e por fim tinham que ter uma boa equipe e um bom carro.

Carlos Eduardo Ferraz Silva e suas convidadas.

Esposas, namoradas e convidadas do pessoal da Escuderia AF

Torcedoras da Escuderia AF e de José Luis Bastos.

Torcedores de Euvaldo Pinho.

 Pessoal da Escuderia AF, no lado direito o comandante Adriano Fernandes.

Namoradas e amigas dos pilotos da Equipe Cobape, ajudando nos trabalhos de box.

Pilotos & namoradas:

 John Brusell

Mauricio Castro Lima

Carlos Medrado

No final dos anos 60, a faixa etária dos pilotos baianos era muito variada, pois ao mesmo tempo que tinham  os pilotos veteranos da época das corridas do Farol da Barra, como Lulu Geladeira por exemplo, que era o mais velho, tinha 42 anos em 1968, enquanto os mais jovens estreantes daquele ano tinham apenas18 anos!
Evidentemente que fora das pistas e do automobilismo esta grande diferença de idades se refletia muito nos relacionamentos, o que era normal, pois enquanto os mais jovens que na maioria eram solteiros tendiam a ter uma maior amizade entre eles e aproveitar ao máximo as festas, paqueras e tudo o mais que as corridas proporcionavam, os mais velhos em sua grande maioria eram pais de família casados e muitos já com filhos.
Tinha também o pessoal da faixa etária mediana que em muitos casos tinham namoradas fixas ou noivas, as quais ajudavam também na cronometragem da equipe.



Era comum ter solenidades posteriores às provas, muitas delas nas sedes das emissoras de TV que apoiavam as corridas, para entrega dos troféus e diplomas aos vencedores e participantes, mas informalmente sempre tinham algumas comemorações feitas pelas equipes logo após as corridas. Lembro-me para citar entre outras, comemorações nos clubes sociais Bahiano de Tênis e Yacht Club da Bahia, no Hotel da Bahia e também de comemorações da equipe AF na casa de Luis Caetano Moniz Barreto.

DIVERSOS:


Fred Leal rasgando a reta oposta aos boxes, com os expectadores credenciados do canteiro central ao fundo.
Mario Cravo, Adriano Fernandes e Ivan Cravo comemorando após uma corrida na Centenário e
abaixo o Protótipo ELVA da Equipe Cravo Bauer sendo manobrado por Ivan, note-se alguns curiosos atrás do carro, provavelmente atraídos pelo ronco da máquina.

O Jornalista Paulo Brandão era um dos mais atuantes no automobilismo daquela época.

Os pilotos eram prestigiados e incentivados pela imprensa esportiva e eram reconhecidos pelo público aficionado pelo automobilismo.


Fotografias do acervo de Fred Leal, Ivan Cravo, Mauricio Castro Lima, Carlos Alberto Medrado, Carlos Eduardo Ferraz Silva, John Brusell, Eduardo Bandeira Ribeiro e Mario Cabral Filho. Fotografia compartilhada do Facebook de Tania Moniz Barreto. Reportagens de jornais diversos.



oldraces.blogspot.com m.castrolima.arq@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário